Conheça Thamires Smidi, a designer de moda que trabalha com tingimento natural

//Conheça Thamires Smidi, a designer de moda que trabalha com tingimento natural

Desde que a Loja inaugurou a Oficina, tornando-se um coworking de moda, o contato com novos criadores se tornou frequente. Alunos das principais universidades de moda marcam presença no local para conhecer os tecidos e aproveitar o espaço. Foi assim que conhecemos Thamires Smidi, designer de moda e aluna da Belas Artes especialista em tingimento natural.

O match foi imediato. Ao ver de perto as estampas feitas por Thamires, a equipe da Loja Oficina pensou imediatamente em firmar uma parceria. Foi assim que a designer viu suas criações ganharem forma com os tecidos da linha TexPrima BR, que possui materiais sustentáveis e tecnológicos totalmente feitos no Brasil. Em parceria com Guilherme Barros, modelista da Oficina da TexPrima, Thamires elaborou um vestido que se tornou o queridinho da coleção e estampou até uma matéria sobre a linha nas páginas da Harper’s Bazaar. Vale destacar que o tecido estava manchado, e o que para muitos seria motivo de descarte do material, para a jovem criadora foi uma qualidade.

Apaixonada por moda, Thamires busca ser coerente em suas criações e imprimir seus valores em cada criação. Há dois anos, quando conheceu o tingimento natural e matriculou-se em um curso do Instituo Etno Botânica, se sentiu acolhida ao perceber que dentro do universo fashion também haviam outros designers com a mesma preopação. “A única coisa que eu podia sentir na época era um grande alivio por saber que mais pessoas pensavam como eu, em moda limpa, sustentável e transparente”, revela.

Por depender de elementos da natureza e ter um processo criativo completamente artesanal, não é segredo que cada estampa feita por Smidi seja única e impossível de ser reproduzida em grandes escalas. Essa proposta vai de encontro ao conceito de slow fashion, que tanto tem sido debatido na moda. “Os novos designers estão cada vez mais ligados a moda com algum propósito, esse conceito de moda sustentável está vindo cada vez mais forte para o nossa realidade, ou seja, quem faz moda no Brasil está conseguindo incluir iniciativas sustentáveis para suas marcas e os consumidores estão cada vez mais se questionando sobre os processos de produção. Marcas sustentáveis e brechós vão ganhar cada vez mais espaço no comércio.”, conta Thamires.

Quando questionada sobre seu processo criativo, Thamires ressalta um ponto interessante e definitivo sobre o assunto: além de ter preferência por tecidos sustentáveis (por motivos óbvios), o grande desafio da designer é trabalhar com retalhos ou materiais que seriam jogados no lixo. “Não basta usar um tecido orgânico, mas sim um tecido que seria descartado e que não tem mais utilidade no mercado”. Além de dar um novo uso ao material que seria desperdiçado, Smidi revela que seus materiais preferidos para estampar são cascas de cebola, facilmente encontradas em grandes quantidades nos supermercados, plantas caídas em praças, que permitem a criação de novas cores e formas, e o eucalipto, que funciona em diversas bases e imprime detalhes com nitidez.

No instagram, é possível acompanhar o perfil @thamismidi para ficar de olho nas novidades da designer. Não deixe de seguir!

2017-10-03T15:21:16+00:00